segunda-feira, abril 26, 2010

Culpa


Mutas vezes eu fico procurando um ditado popular pra explicar alguma coisa, ou 'desexplicar', já que Alice está na moda, mesmo que eu não curta muito eles. Não sei, é uma mania que eu tenho ao escrever, usá-los como alegorias nos meus textos. Funciona mais ou menos assim: eu tenho uma idéia, daí eu fico tentando encaixar as coisas, pra tentar fazer com que aquilo que faz sentido na minha cabeça passe a fazer também no papel. E em diversas ocasiões estes ditados ajudam a dar esta liga. Mas hoje eu sentei, olhei pra tela em branco, com uma idéia na cabeça e... nada.

É foda quando você tem uma coisa entalada na garganta, tem muita vontade de dizer, mas não consegue. E nem não consegue porque não tem coragem ou algo do gênero, e sim porque não consegue se expressar. A sensação está lá, incomoda, mas não quer vir pro papel. E com isso ela te enrola, te faz gastar linhas e linhas de um texto que não significa absolutamente nada.

Deve ser porque é difícil mesmo se expor e falar coisas que nos atingem, é muito mais fácil falar sobre besteiras e futilidades. Mesmo quando é algo particular, é muito mais fácil um desabafo raivoso do que um sentido. Principalmente quando, analisando friamente, nós somos o personagem ativo e gerador dele.

A vida caleja a gente, eu posso dizer que passei por um intensivão em matéria de tomar no cu e ter que continuar a vida, como se nada tivesse acontecido, o que não é nada fácil. Mas eu descobri uma coisa, que se não é regra, pelo menos é como funciona comigo: por mais que eu me foda, eu sempre sofro mais quando, direta ou indiretamente, eu faço alguém sofrer.

Algumas situações que, quando vítima, eu tento me manter forte, quando algoz eu me corroo em culpa, mesmo tendo a certeza que tomei a decisão correta. Culpa por de repente não ter feito algo, quando na verdade não faço a mínima idéia do que poderia fazer. Culpa por ter sido omisso onde não via a omissão, culpa por ter sido ausente onde não via a ausência. Culpa por sentir culpa. Culpa porque a vida não é lógica e nem tudo aquilo que deveria ser é, ou o que gostaríamos que fosse é.

E com isso lembrei de um ditado, quase no fim deste post: "Deus não nos dá um fardo maior do que podemos carregar", e isso me consola. As vezes.

3 comentários:

Isa disse...

Sensação de culpa é uma merda, mas existe.
Muitas vezes a gente só se toca das coisas depois que faz.
Tem muitas vezes em que eu sinto culpa e é horrível, porque por mais q eu tente fazer alguma coisa pra remediar a situação, ela não sai.
É incrível, não abandona, não tem nem como pensar diferente.

Nessas horas não tem muito o que fazer. Episódios como estes vão sempre dar um "presente" em horas q a gente não espera, não quer.

Só uma coisa: a vida é lógica, lembra? Apenas os planos e as sintonias podem não bater na mesma hora.

Beijos
(teimosa, como sempre)

disse...

Ter culpa é realmente complicado. Nada é irremediável acho. Nem sempre funciona, é verdade, mas, algumas vezes (e só algumas) uma boa conversa (despida da raiva e mágoa seja ela qual for e com corações abertos) faz com que um monstro de 3000 toneladas possa sair de cima de suas costas e quando vc olha frente a frente para ele, nem era tão feio quanto achava ser. Pense nisso, pode ser o alívio que tanto se quer e pode estar mais perto do que imagina, mesmo que para amenizar tudo, se não for resolver. Ou não. Basta respirar fundo e seguir em frente! Tentar. As vezes é só isso que a outra pessoa quer, uma conversa e selar a paz, nada mais. E aí, fez a sua parte, tentou, se não deu, paciência, sua mente está tranquila, para um recomeço. Fácil? Pff! Boa Sorte! rs
Fica bem mocinho.
Bjo

Mariana disse...

Na vida às vezes acontece assim:
Um amor chega e se aloja lá num cantinho do coração,constrói sonhos e ilusões,mas de repente se tranforma num furacão e destrói tudo o que parecia perfeito.
Com o tempo, tudo se supera.
Mas o furacão continuará vitimando outros corações......