quarta-feira, março 11, 2009

Mais Tempero, Por Favor

O novo álbum do U2, como qualquer outro deles, desde o Joshua Tree, é esperado com muita expectativa. O No Line On The Horizon, em particular, era vendido como a salvação (sempre odiei esse termo) e a reinvenção do rock.

Assim que o álbum foi lançado eu o baixei (é, vão me prender?) e na primeira audição eu fiquei extremamente decepcionado. Sim, porque de primeira pra mim este álbum significou nada! 
Nenhuma música me empolgou, ele foi simplesmente sendo tocado e tocado, música após música, servido para aquilo que é a pior função de uma canção: música ambiente.

Eu acho isso péssimo, quando eu ouço um álbum pela primeira vez e ele me causa a mesma sensação de comer uma comida sem sal, dificilmente eu virei a gostar dele. Certo, eu posso depois de algumas vezes perceber que ele não é tão ruim, que tem uma ou outra boa canção, mas nunca virá a ter um posto entre os álbuns essenciais da minha vida. O U2 conseguiu isto com All That You Can Leave Behind, mas não com o No Line On The Horizon.

Por outro lado, a maior surpresa deste ano é um cara que eu achava que era apenas mais um daqueles cantorzinhos indies, que lamentavam sobre a vida, chamado Ben Kweller. Eu já tinha ouvido falar nele, já tinha ouvido algo mas não havia me atraído, tanto que a minha pasta de MP3’s não contava com uma mísera canção. Porém, resolvi arriscar e baixei o Changing Horses.

Primeiro, de indie ele não tem nada! Ele tem os dois pés no country, mas o som é temperado com o folk, orgulhando tanto Bruce Springsteen quanto Bob Dylan ou Hawk Williams. Ele tem uma voz sensacional, o instrumental é sem exagero, muito bem encaixado.

Gipsy Rose e Fight são músicas de raiz, podendo facilmente serem confundidas com outras compostas na Louisiana muitas décadas atrás, enquanto Old Hat tem uma linha de baixo simples e marcada, porém arrebatadora. Ballad of Wendy Baker parece ter ser sido composta por Paul McCartney logo após She’s Leaving, assim como Sawdust Man parece uma sobre de estúdio do Revolver ou do Rubber Soul. E qualquer outra canção, se fosse gravada pela The Boss ou por Bob Dylan, seriam aclamadas como geniais. E, para não desagradar os moderninhos, o vocal remete ao Wilco em algumas faixas, como Hurtin’ You.

Sabe aquele álbum perfeito, que com 30 segundos da primeira música você pára e pensa: “caralho, o que é isto?”, e então larga tudo o que está fazendo para prestar a atenção? Este é o Changing Horses do Ben Kweller. Um álbum que toca profundamente, com melodias incríveis, e que não dá vontade de parar de ouvir.

O terceiro mês do ano começou, mas já acho difícil algum álbum tomar do Changing Horses o posto de melhor álbum de 2009, só se uma obra prima aparecer por aí. Se ele fosse lançado em 2008, teria sido o número um da minha lista.
Mas, como dizem que tem novo do Muse por aí, pode ser que algo de bom aconteça.

2 comentários:

Lari disse...

Ainda não ouvi o novo do U2 então não posso dizer muito, porém, não gosto muito dos últimos álbuns deles, fico com os antigos...beijão!

daia disse...

U2? alooooo, 2009!!!!
a banda que eu falei chama-se she & him.
bjo.