terça-feira, maio 26, 2009

My Big Bang Theory

Descobri por acaso o The Big Bang Theory, em um dia, ano passado, na casa da minha irmã. Foi o episódio do 'Halo Night' e, apesar já estar na metade, ficamos eu e meu cunhado assistindo. Como eu não tinha tv a cabo em casa, passei a baixar todos para assistir e, bastaram poucos para eu me viciar na mesma.

Mas o tema aqui não é a série em si, mas o contexto, do universo nerd. Eu sei que, se alguns amigos lessem esse blog, eles me xingariam, mas como não lêem, fodam-se, posso falar toda sorte de besteira que eu quiser. Eu nunca gostei muito de estudar e não entendo porra nenhuma de física e química, o que 'aprendi' foi na época do cursinho e foi o suficiente para eu não zerar no vestibular, mas tive uma adolescência extremamente nerd, com amigos nerds, e muitos passatempos iguais aos deles.

Certo, eu jogava basquete e ia ao clube à noite nos fins de semana (quem viveu no interior sabe o que isso significa), mas não bebia, jogava joguinhos em computador, lia quadrinhos e jogava RPG. Véio, nerd pra caralho!!!

E quando o assunto é mulher, todo nerd se enquadra em um dos quatro estereótipos. Têm os que não ligam pra mulher, como o Sheldon, os que tem pânico perto de mulher como o Raj, os desesperados por mulher (e, consequentemente, atrapalhados), como o Howard e aqueles que ficam pensando um milhão de vezes pensando no que dizer para uma mulher, e que ao final são passados para trás por um cara mais cool e despojado.

Quando adolescentes, chamávamos isso de queijo, no qual o modelo era o Charlie Brown com sua famosa garotinha ruiva, mas nos anos 2000, creio que o Leonard poderia muito bem ocupar esse papel. E, pensando neste sentido, eu passei bons anos da minha vida 'produtiva' com síndrome de Leonard Hofstadter. Quantas e quantas vezes eu deixei de sair com alguém por puro cagaço, por achar que ela iria rir de mim, iria me ignorar. Quantas vezes não saí do campo do platônico.

Toda aquela merda que te ensinam quando você é criança, que você precisa ser educado, respeitar as mulheres, ser galante, somada com uma auto estima abalada (síndrome de patinho feio, esse texto tá parecendo tratado de psicologia), faz tua vida amorosa ser um área improdutiva, daquelas que o MST invade. 

Mas é foda, você cresce e percebe que não é assim que funciona. O Leonard dentro de você percebe que a Penny só está esperando você chegar nela com confiança, agarrá-la pela cintura, dar-lhe um beijo na boca de tirar o fôlego, e convidá-la para ir até tua casa. Ela não quer rodeios, ela quer ação.

E não é só isso, você descobre que de nada adianta ser o genro que toda mãe quer, se a filha não te quer. Melhor é ser aquele cara que está comendo a filha dela e que ela não gosta. É muito mais divertido e faz muito melhor pro teu ego (e pra outras coisas também).

O Leonard é um cara legal, assim como é o Charlie Brown, mas, como em tudo na vida, o campo amoroso não perdoa os bonzinhos. Não há espaço para aqueles muito respeitadores e, convenhamos, vocês mulheres podem me xingar, mas nenhuma de vocês gosta de caras bonzinhos. Vocês gostam de atitude e, queiram ou não, atitude vem num pacote onde aparecem outras 'qualidades' que não são as que eu descrevi acima, muito pelo contrário.

Se existe um adesivo escrito "mulheres boazinhas vão para o céu, e as más para onde quiserem", o dos homens poderia ser "homens bonzinhos não vão pra lugar nenhum e os maus vão pra cama com mulheres". É assim que funciona, vocês xingam a gente, mas no final só querem os que não prestam. Você tenta ser respeitador e, quando respeita os limites, é chamado de viado ou de brocha.

Um dia o jogo mudou, e eu descobri que a vida é muito mais divertida quando você perde o medo de levar um fora (até porque daí você recebe muito menos) e descobre que dá sim pra sair comendo mulheres por aí, que isso não acontece só no cinema.

Fiz coisas divertidas demais no meu passado nerd, e ainda me considero um, pelos meus gostos e tudo mais, não tenho problema algum com isto, mas torna-se muito mais divertido quando você não transporta esta nerdice para sua vida amorosa. 

9 comentários:

Juliana disse...

Nerd comedor!!!
Prefiro os bonzinhos(mentira)...Rsrs
Beijos,
Ju

Mariel F. Moura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariel F. Moura disse...

Sábios conselhos e sábia conclusão, caipira.

Nerd porrador!

( E vê se adiciona meu blod no seu blog roll )

MMoura

Doggas disse...

não tem nada de deturpar... não deturpei nada, vc que está vendo errado... mas fala se o que eu escrevi não é verdade?
Bjs
Isa

A.K disse...

ahahahahah

Fábio disse...

Hahahahahahahahahahhahahahha.

Embora tenha sido um pouco menos nerd em alguns assuntos, me identifiquei com o seu texto, tio.

E a mulherada se ofende quando dizemos que elas preferem os canalhas, mas é verdade.

Lari disse...

Uhuuuu quanto mais canalha melhor! hahahahahaha brincadeira...er quer dizer, +/- verdade =P. Gostei do post...Bjão

Juliana A. disse...

Opa, opa, eu protesto!!! Rs. Posso até concordar com o post quando vc diz que mulheres gostam de homens 'que não prestam'. Mas, como vcs homens, afirmo que é apenas para diversão. Quando o quesito é 'algo mais sério', gostamos sim de homens respeitadores. A não ser que a pessoa não saiba bem o que ela quer...
Sou adepta do "antes só do que mal acompanhada".

Beijo

Anônimo disse...

olha...passei e acabei lendo... mas foi ótimo...então resolvi escrever também. Aprenda: as mulheres gostam de canalhas (como vc disse) simplesmente porque todos os homens são canalhas. Aqueles que acham que não são ainda não descobriram... e também, quer saber? Gostei de ter essa visão do mundinho dos "meninos"...tudo é válido nesta vida! Parabéns e bem vindo ao mundo dos adultos meu querido!