segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Uma Segunda Chance

Não há bem que sempre dure nem mal que não acabe
Ditado Popular

Ditados populares existem aos montes, e mais ainda são as variações sobre o mesmo tema, mudando ordem, palavras, mas sem perder o sentido original. E este é um que eu tenho pensado muito sobre.

Porque, muitas vezes para que o mal acabe, a vida nos dá segundas chances, de corrigir certas coisas, cabendo a nós saber reconhecer estes momentos e, principalmente, fazer uso deles.

E, depois da vida me dar um gelo, resolveu me possibilitar alguns momentos de redenção, pondo no meu caminho oportunidades de reconstruir algumas coisas, reparar outras e criar outras ainda. Mais, isso acaba por nos abrir os olhos, e ver que algumas atitudes aparentemente simples podem fazer grande diferença, e dependem apenas de nós.

Não, isso não vai virar um blog de auto ajuda, eu odeio isso, pra mim essa coisa de auto ajuda é dizer o óbvio, como "respire", "coma", "durma", e depois são vendidos como a salvação da humanidade. Se vai salvar a humanidade, eu duvido, mas com certeza salvou o bolso de quem escreveu. Mas, para não perder a linha e viajar demais, acho apenas que agora eu consigo enxergar certas coisas mais claramente. Como isso se deu não posso afirmar, mas quem sou eu para reclamar das coisas boas?

Não sou uma Polyana, mas a vida também não é tão amarga quanto as vezes pensamos.

Um comentário:

Joice Zaparolli disse...

Iupi! cada vez mais feliz de ler essas coisas! beijote...