quarta-feira, julho 29, 2009

Urtigão



Isso pode parecer um post sobre o Muricy no Palmeiras, mas não é. Tudo que eu tenho a dizer sobre ele está no Palestra Per Sempre. Mas isso não quer dizer que este post não fale sobre futebol. Fala, também de futebol.

Eu venho todas as manhãs ouvindo a BandNews FM, e o Milton Neves tem uma coluna de futebol todos os dias. Hoje, tinha um convidado, que não lembro quem é, mas pela voz já era um senhor e, aberto a possibilidade dele fazer alguma pergunta para o Milton, ele começou com aquela ladaínha de futebol arte, que depois da seleção de 82 o Brasil nunca mais teve um time que jogou bonito, essas coisas. Então, o metrô entrou no túnel e não vi o resto da conversa.

Acho certo e coerente que as pessoas guardem boas lembranças de outros tempos e que o que foi bom seja louvado e lembrado, mas me irrita profundamente essa atitude, de gente 'velha' (mentalidade, não idade) e ranzinza, que só da valor para o que passou e já não existe mais, e que as coisas novas nunca são boas, por melhor que sejam.

Isso acontece em todos os meios a ambientes. A seleção de 82 era boa? Por que não ganhou a Copa então? Futebol é resultado, não espetáculo. Se eu compro ingresso pra ver uma peça de teatro, eu quero ver espetáculo, mas se eu compro para um jogo de futebol, eu quero é vitória, nem que seja jogando mal. Pra mim, a melhor seleção é a de 2002, que jogava bem, mas tinha vontade e foi campeã, com 100% de aproveitamento. Mas eu tenho coerência para dizer que essa seleção do Dunga parece estar no caminho certo e, quando eu vejo novos jogadores, eu acho que eles tem qualidade, não fico só pagando pau pra quem nem joga mais, como se eles fossem a última maravilha do futebol.

Na música isso também acontece, e muito. Canso de ver gente dizer que as últimas coisas que prestam foram gravadas quando o CD ainda era um devaneio tecnológico. Certo, eu adoro bandas antigas, mas muitas delas também são um porre, como existem ótimas bandas novas. Se Beatles e Queen são maravilhosos, assim o são Muse, Foo Fighters e Radiohead.

Enche o saco viver encapsulado no passado, com os olhos e os ouvidos tapados para o presente. Eu só espero que um dia eu não fique assim, porque pessoas assim são muito chatas!

3 comentários:

Doggas disse...

isso é uma coisa q me preocupa mto... será que vou ficar velha q nem meu pai, bradando que só os beatles prestam e etc? Ou aliás, que só as coisas do passado prestam???
Espero que não... mesmo porque eu sou aberta a esses sons novos, coisas q estão acontecendo...

mas acho que sempre mantemos um pezinho, nem que for pequenininho, no passado. Eu ainda sou da época do grunge, sempre serei... O que não impede, óbvio, de ver o que é novo com olhar crítico e muitas vezes, admirado.

acho que é um ciclo da vida... :D hehe. eu espero ter filhos que sejam tao roqueiros quanto... e tenho certeza de que eu vou aprender mto com eles! E eles comigo...
bjinhos
Isa

Joice Zaparolli disse...

Logo, eu sou chata rsrs.

Dani Valente disse...

E é o que eu sempre digo... "Quando eu crescer, eu NÃO quero ser como o meu pai" rs...
Justamente pelo fato de ele ser demasiado saudosista, resistente à novidades em todos os âmbitos. Claro que, conforme formos envelhecendo, sabemos que por mais esforços que tenhamos não conseguiremos acompanhar todas as novidades, porém, que possamos sim agregar o velho ao novo, com qualidade sempre... seja na musica, no futebol, com as pessoas em geral.

E que Deus nos ajude e nos permita ter varias HD's de varios "Teras" pra armazenar sons do passado, presente e futuro! heheh...

Beijocas